quarta-feira, 30 de novembro de 2011

O que comi na Filadélfia - parte II

Os melhores cookies do mundo! Não tenho outra frase para definí-los.


A loja em que compramos esse pedaço do céu fica no Reading Market Terminal, um espaço com venda de sanduíches, pratos típicos de vários países, guloseimas, além de frutas, verduras, legumes, queijos, carnes etc. Comemos lá também o sanduíche que vocês viram no último post. Chama-se The Famous 4th Street Cookie Company.


Não sei como descrever esses biscoitos. Provamos dois: o de chocolate com nozes-pecã e o de manteiga de amendoim. Ambos eram macios e vieram para nós morninhos. O primeiro tinha o chocolate derretendo, "puxando" quando você mordia. O segundo se tornou uma obsessão, tinha um salzinho no final e amendoins inteiros. O gosto da manteiga de amendoim estava presente, mas não dominante. Por causa dele, fiz Marido procurar uma farmácia aberta e que vendesse manteiga de amendoim, pois o nosso último dia na cidade era um domingo e os supermercados não abrem. Trouxe um pote enorme e vou tentar fazer os cookies - posto aqui depois.

Fica a dica para quem for à Filadélfia (se alguém for, me avisa, pois preciso que tragam cookies para mim! #vício).

terça-feira, 29 de novembro de 2011

O que comi na Filadélfia - parte I

O Philly Cheese Steak, esse cara aí debaixo, é uma verdadeira instituição na Filadélfia, apesar de ser vendido em várias partes do país. Pra se ter ideia, tem até música dedicada a ele!


Então, se estamos em Roma, vamos ver o Papa. Comemos um no Reading Market Terminal, numa lanchonete que não me lembro o nome, mas que escolhi porque tinha uma fila enorme de gente esperando por um Philly Cheese Steak. Pra mim, se tem fila é porque a comida é boa (em geral, tá?).

O sanduíche é preparado em um pão grande, com cerca de 30cm, tipo uma baguete um pouco mais grossa e com gergelim. O recheio são finíssimas fatias de carne bem temperadinha, grelhadas na chapa. Eles são colocadas bem quentes dentro do pão e por cima vão fatias de American Cheese, ou queijo amarelo processado. Nós pedimos sem cebola, porque eu não sou muito fã, porém o "tradicional" é botar a dita cuja. Em alguns lugares também é possível adicionar alface, tomate e maionese. Isso que vocês estão vendo é só a metade dele, porque eles servem já cortado ao meio. Vi muita gente pedindo um só pra si, mas eu dividi com Marido e fiquei bem satisfeita.

Ele é gostoso, mas não é nada que você não possa fazer em casa - inclusive vou tentar - podendo ser definido como um sanduíche simples. Custou 12 dólares (20 reais) com uma porção de batatas fritas.

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Penne Al Limone

Mais uma receita tirada do site da Nestlé. Mas se você olhar a foto daquele e a foto desse vai achar que são receitas diferentes. Engraçado como cada pessoa faz a receita de um jeito...


Fiz exatemente do jeito que está lá: cozinhei 250g de massa (a deles era integral, a nossa, tricolor) em água e sal. Escorri e reservei. Fritei uma cebola ralada em 2 colheres (sopa) de azeite e refoguei aí 250g de peito de peru picado (não encontrei em pedaços, só em fatias). Adicionei o macarrão, o creme de leite, a raspa de limão e o suco. Não pus a cebolinha, mas temperei com sal e pimenta.

Pode não ter ficado igual na aparência, porém o sabor estava ótimo. Na próxima, vou colocar um pouco mais de suco de limão, para que o gosto fique mais forte.

O mais importante é que foi rápido de preparar e gostoso de comer, porque morrer na cozinha em plena segunda não dá!!!! #semanalonga

sábado, 26 de novembro de 2011

Máquina de Pão


A quem interessar possa:

O Privalia está vendendo hoje Máquina de Fazer Pão por R$99,90!!! A marca é Mallory, que eu não sei se é boa para máquinas de pão, mas o meu liquidificador é desta marca e já tem 7 anos...

O "problema" é que a voltagem é 220. Entretanto, isso é facilmente resolvido com um adaptador, o qual certamente não custará 100 reais, que é a diferença entre uma máquina na loja e essa do site.

Tem outros itens na promoção, como liquidificadores e centrífugas. Se você ainda não for cadastrado, coloca o meu e-mail (lilianabreu@hotmail.com) que eu e você ganhamos 10 reais na sua primeira compra.

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Joelhos

Queria fazer minijoelhos, do mesmo jeito que eu faço os minicachorrinhos. Mas tava com uma preguiça de rechear e enrolar um por um...


Fiz a massa na máquina de pão, usando as mesmas medidas dessa massa aqui. Enquanto a máquina fazia a maior parte do trabalho pra mim, fiquei matutando como ter menos trabalho com a montagem. Veio então uma luz!

Quando a massa ficou pronta, abri-a com bastante farinha em uma espessura que eu considero fina, em um retângulo de 30x10cm. Espalhei queijo mussarela e blanquet de peru por toda a massa e enrolei, como um rocambole. Cortei o "rocambole" em fatias de cerca de 3cm, como se fosse pra servir mesmo.
Passei as fatias para uma fôrma, pincelei gema de ovo em cima, polvilhei gergelim e levei ao forno. O que deu o "tchan" do negócio foi o queijo derreter e ficar douradinho por conta do contato com a fôrma. A massa ficou macia e tostadinha. Nada grudou no tabuleiro, acredito que por causa da gordura do queijo. Resultado final: o joelho mais gostoso que eu já comi e que acabou horas depois de ter sido feito.

Fica a minha dica para um ótimo petisco de festa. Não levei meia hora para abrir e enrolar, rendeu muito e não saiu caro. O mais importante é que ficou delicioso e leve, acho que qualquer convidado iria adorar!

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Desafio Activia

Todo mundo já ouviu falar do Desafio Activia, né? Aquele em que você recebe o seu dinheiro de volta se o intestino não funcionar bem? Pois bem, agora tem uma outra promoção que é o desafio de sabor. Quem tem Facebook pode participar.


É só ir na página do Activia e clicar em "gostei". Você será redirecionado para o Facebook e entrará em um aplicativo. Lá você indica dois amigos para receber uma bandeja de Activia e imprime o seu cupom para pegar a sua. Depois, você vai no supermercado que está participando da promoção na sua região (no Rio é o Extra), escolhe o sabor que mais gosta, pega a bandeja com 4 iogurtes e leva no caixa, que só vai precisar do seu cupom.

Simples, não acha? Mas tem que correr, porque só vale até o dia 30. Eu já peguei uma em meu nome e outra no de Marido. Adoro ganhar coisas!

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

O que comi em Nova York - última parte

Nossa última refeição em New York não poderia ter sido mais generosa, no sentido estrito da palavra. Fomos ao Dallas BBQ, uma cadeia de restaurantes tex-mex bem famosa no país, no estilo Applebee's ou T.G.I. Friday's.

Estávamos com muita fome e já sabemos que é um erro ir a um restaurante nesta condição. Você acaba pedindo muito mais do que pode comer, porque não pensa com coerência. Precisávamos de uma entrada - a fome era negra - e queríamos provar o chilli de lá, pra ver se era diferente dos mexicanos que comemos no Rio.


Sim, é diferente. Na nossa modesta opinião, menos bom. O chilli deles é meio sopa, o dos restaurantes daqui é mais cremosinho, o meu é incrível (hahahahaha). Para acompanhar, veio um sour cream e um pedaço de bolo de fubá. Oi??? Bolo de fubá??? Então tá...


Pedimos também um cheeseburger para cada um. No meu mundo, isso deveria ser só pão, hamburguer, queijo e salada, com um punhado de batatas fritas para acompanhar. Uma coisinha simples! Veja você o que recebemos! Não havia a menor condição de comer tudo isso, acho que nem se dividíssemos íamos dar conta. Fazer o quê? Já estava lá, comemos meio hamburguer e parte das batatas e saímos rolando do restaurante.

Sabe o que é pior? Nem estava gostoso. Era gorduroso e a carne tinha sabor de coisa pronta... Talvez as pessoas pensem no custo-benefício, já que essa montanha de comida custa 10 dólares (17 reais). Na minha opinião, não é recomendável!

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Pedra para Pizza

Para quem me perguntou onde comprar a pedra para fazer a pizza em casa, como a que eu fiz, hoje está vendendo no Privalia por R$49,90.

O que comi em Nova York - parte VII

O tradicional cachorro-quente não poderia faltar, né? Marido até falou sobre esse "desejo" aqui.


Escolhemos o Gray's Papaya pois ele é um dos mais famosos da cidade. Já apareceu em vários filmes e séries. Dizem que a salsicha fica defumando por cinco dias. Então, fomos lá, mesmo porque tem em muitos endereços. Dá pra reparar pelo balcão que não é dos lugares mais chiques, é tipo bem ralé.

Provamos com e sem molho, que nada mais é do que molho de tomate e cebolas. É gostoso, a salsicha tem mais gosto de linguiça e não tem todos aqueles acompanhamentos que adoramos aqui no Brasil. Mesmo assim, é muito bom. Pagamos 2 dólares (R$3,50) em cada um.

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

O que comi em Nova York - parte VI


Lanchinho superamericano: o café no copo de papel, para beber andando, e o cheesecake de blueberry - por aqui chamado de mirtilo, porém mais conhecida como a frutinha dos Smurfs. Esse era pequenino, singelo, mas comi os grandões, assustadores, também.

A verdade é que me apaixonei pelo cheesecake de lá. Já comi vários cheesecakes aqui no Brasil, até faço um com cobertura de goiabada que é muito bom. Só que o deles é diferente (vou ter que me virar para achar uma receita tradicional e traduzir a bicha)... Muitas pessoas, inclusive, compram na doceria apenas a "base", ou seja, a camada de torta com o queijo, sem nada por cima, e comem assim mesmo.

É questão de tempo: vou fazer um igual!

domingo, 20 de novembro de 2011

O que comi em Nova York - parte V


Nova York é cheia de mercados. É a feira-venda-delicatessen deles. Nestes lugares, você encontra de tudo, desde frutas, legumes e verduras a carnes e sobremesas prontas. Um desses mercados foi inaugurado há pouco tempo e está fazendo muito sucesso na cidade: o Eataly.


O diferencial dele é que tudo lá é de origem italiana. Você encontra para comprar os mesmos produtos que acharia nos mercados italianos. O mercado é enorme e separado em áreas, mas o caixa é um só, então você pega tudo o que quer e paga na hora de sair. Além disso, o seu grande chamariz são as delícias que eles servem.


Há lugares que servem café, sorvete, sobremesas, antepastos, queijos, pães etc. Para sentar na mesa e comer, tem um restaurante, o Manzo, que serve de tudo um pouco, e os especializados - Il Pesce, focado em peixes, e o La Pizza & La Pasta, o qual escolhemos.


A foto lá de cima é do nosso antepasto. Um pão perfeito que vem embrulhado num papel. Se você abrir o pacote, o garçom entende que você aceitou a entrada e te serve um azeite italiano maravilhoso num pratinho. Petisco simples e adorável: pão com azeite. Marido foi de massa e eu de pizza, para provarmos as duas especialidades.


Ele escolheu um Spaghetti al Pomodoro (massa al dente com molho de tomate) e eu, uma Quattro Formaggi (pizza de quatro queijos, sem molho de tomate). Ambos estavam muito gostosos e ficamos espantados com a simplicidade da comida e com sabor que dominava a boca. Para beber, birra Moretti Bionda, cerveja tipicamente italiana - até na temperatura, meio morna para nós.


As sobremesas eram incríveis, a vitrine hipnotizava, porém eu não tinha condições de comer mais nada. Marido ainda atacou um gelatto de limone, bem gostoso, mais para um sorbet do que para um sorvete. Jantaríamos todos os dias lá, se fosse possível. Pena termos ficado pouco tempo na cidade...

sábado, 19 de novembro de 2011

O que comi em Nova York - parte IV



Isso foi o que comi de melhor em Nova York e preciso urgentemente aprender a fazer!!! Chama-se bagel com cream cheese e é super comum no café da manhã ou para lanchar. Você pode adicionar fatias de salmão defumado, se quiser.

O meu predileto era o de cebola, mas provamos também o de gergelim e o de canela. O bagel nada mais é do que um pão, um tanto macio, em formato de rosca. Em geral, parte-se ao meio, leva-se para tostar (na torradeira ou no forno) e recheia-se com um cream cheese generoso.

Fica bom D+! Perfeito para ser acompanhado por um café quentinho...

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

O que eu comi em Nova York - parte III

Fiquei sabendo, através de uma amiga, que havia uma sorveteria nos EUA que fazia o sorvete do seu jeito. Você escolhia o sabor do sorvete e o que mais quisesse adicionar nele e saía um sorvete prontinho, todo seu. Procurei na internet e achei a Cold Stone Creamery.

video

É claro que tínhamos que ir lá, né? Eles têm também os sorvetes criados por eles, chamados de signatures creations. Foi um desses que Marido escolheu, o Peanut Butter Cup Perfection (sente o nome!). Como dá pra ver no vídeo, a moça coloca tudo numa pedra congelada, tritura, mistura e leva pro copinho. No dele tinha sorvete de chocolate, manteiga de amendoim, uma bolachinha de amendoim e chocolate e calda de caramelo. Ela dá as colheres sujas pra você ir provando os ingredientes separadamente (dá pra ouvir o meu "hummm, boommm" - e o Bon Jovi cantando). O resultado é muito gostoso, com um sorvete mais "puxentinho" e cheio de pedacinhos de delícias. Não me recordo com certeza, mas acho que custou 6 dólares, ou 10 reais.

Taí mais um lugar que recomendo!

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

O que comi em Nova York - parte II


Pra quem é fã de Sex and the City esse nome não é estranho. A Magnolia Bakery é megafamosa por ter aparecido em alguns episódios da série, em que a Miranda e a Carrie se deliciavam com os cupcakes de lá. Como sou fã da série, não pude deixar de ir.


Não fomos na filial da Bleecker Street, que é a mais cheia. Como estávamos hospedados próximo, visitamos a do Grand Central Terminal. Ela é um pouco menor, porque não é uma loja, está mais para um quiosque. O que não atrapalha para quem quer só provar os cupcakes. Marido pediu o do dia, laranja com cobertura de chocolate, e eu fui num mais clássico, red velvet cake, um bolo típico americano que tem a massa super vermelha. Nesse, a cobertura era de glacê, mas existe também a versão cream cheese.

Ambos estaram maravilhosos. Cada um custou cerca de 6 reais (tá, é caro, eu sei!). Ficamos só nisso, mas da próxima vez vou provar também o banana pudding, do qual já ouvi dizerem loucuras!

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

O que comi em Nova York - parte I

Voltei de viagem! Nem tinha dito que iria, pois a intenção era postar de lá, on time, mas a minha internet não quis funcionar de jeito nenhum.

Sendo assim, conto da viagem agora! Tirei férias e passei 10 dias nos Estados Unidos. A princípio, iríamos a Nova York e a Filadélfia, mas uma nevasca inesperada para outubro nos fez permanecer dois dias em Miami. Contratempo que acabou se revelando muito bom, porque fizemos muitas compras e reencontrei uma amiga megaquerida.

Como cheguei há pouco e ando sem tempo de cozinhar, vou postando as guloseimas que comi por lá, afinal, gastronomia também é cultura e curtir as fotos dos outros é um jeitinho de viajar também, não é?

Começo então pelo mais "americano": o hamburguer. Nesse caso, cheeseburger.


Provamos váááários, vou postar aqui. Este foi, sem dúvida, o melhor. Comemos no Shake Shack. É um cheeseburger simples, só carne, queijo, alface e tomate. A maionese, o catchup e a mostarda vêm separados, você adiciona se quiser. O que faz dele especial é o gostinho defumado da carne, que só os americanos sabem fazer. Pedimos também "fries", com e sem queijo, e bebemos refrigerante e milk shake de chocolate.

Custou algo em torno de 40 reais, o que é caro para o padrão brasileiro de lanche. Mas, Marido e eu achamos que valeu cada centavo.

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Arroz Cremoso com Salsicha

Receita tirada do site da Perdigão com receitas de salsicha. O nome do site é "Muito mais do que hot dog", no que eu concordo. A salsicha fica muito restrita na cozinha a cachorro quente e macarrão. Estou mudando o meu conceito.


Fiz assim: cozinhei 1 xícara (chá) de arroz normalmente; misturei, em uma tigela, com 4 salsichas de frango cortadas em rodelas, 2 colheres (sopa) de requeijão, 1/2 lata de milho verde, 4 colheres (sopa) de leite e 1 pitada de orégano. Tranferi para um refratário médio. A receita original dizia para cobrir com batata palha, mas não tinha e eu cobri com mussarela. Levei ao forno por 20 minutos, para derreter o queijo, e servi.


É uma ótima opção para aproveitar um arroz já pronto, mas não fica tão saborosa assim para te fazer (como eu) preparar um arroz fresquinho. E, se eu fosse você, colocaria também uma cebola ralada ou um alho bem picadinho.

domingo, 6 de novembro de 2011

Sorvete de Casquinha

Sorvete de casquinha é uma delícia, não é? Mas, como sempre tomamos na rua, acaba sendo sinônimo de andar, de muita gente ou de sorveteria, restaurante etc. Nunca é você, o sorvete de casquinha e o pensamento distraído num lugar silencioso.


Aqui em casa também não foi bem isso, mas foi a primeira vez que tomei sorvete de casquinha vendo um filme na TV. Não é difícil não: comprei a caixa de casquinhas de biscoito nas Casas Pedro, uma loja de secos e molhados aqui no Rio. Vieram 10 casquinhas, de qualidade excepcional. Não me lembro a marca, mas a caixa é azul claro. Para preparar, faça a sua bola de sorvete e aperte em cima da casquinha. Não cai, nem quebra a casquinha quando você faz isso.

Experimenta! Só tenha cuidado para não viciar (como eu, por exemplo)!

sábado, 5 de novembro de 2011

Penne com Gorgonzola e Maçã

Marido se inspirou na bruscheta do La Mole para fazer esta salada de macarrão. Depois de muito pensar, ele decidiu fazer assim:


Fotos de celular nunca ficam boas!

Cozinhou penne tricolor em água, com uma pitada de sal e um fio de óleo. Escorreu o macarrão e, com ele ainda quente, adicionou gorgonzola esmigalhado. Depois, juntou 1 maçã picada em cubinhos e 1 colher (sopa) de maionese. Misturou tudo e serviu.

É claro que não ficou igual ao sabor marcante da bruscheta, mas também ficou gostoso. Pensamos em colocar mais uma maçã na próxima para aumentar o doce. Penso que creme de leite daria melhor liga que a maionese e combinaria mais pelo fato da receita levar queijo, mas não tenho certeza disso.

Ou seja, precisamos fazer de novo, com uma - ou algumas - variações para darmos uma opinião mais concreta. O que não quer dizer que essa não tenha ficado muito boa, pois ficou sim!

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

La Mole

Há um restaurante muito antigo e conhecido aqui no Rio chamado La Mole. Acredito que todas as famílias cariocas já almoçaram ou jantaram lá um dia. É daqueles restaurantes que têm uma fila gigantescas nos almoços de domingo, com mesas compridíssimas. Isso porque, além de ser um lugar não muito caro, serve comida honesta e tem muitas filiais.

Duo de bruschetas (foto: site do La Mole)
Dia desses, Marido e eu estivemos lá e provamos um prato do menu de primavera: as bruschetas. É uma entrada com duas bruschetas, uma de tomate fresco e a outra de maçã e gorgonzola. As últimas ganharam o nosso amor. Que combinação incrível! Dá vontade de comer 10... O docinho da maçã caramelizada com o sabor forte do gorgonzola derretido combinaram de maneira intrigantemente perfeita.

Se você for do Rio ou estiver de passagem por aqui, não perca essa delícia. Há outros itens no menu de primavera, que não provamos. Se alguém souber, comente por aqui.


quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Arroz Maravilha

Marido fez um arroz maravilhoso dia desses. Só podia ter um nome: arroz maravilha!


Não é difícil não. Ele fritou alho em um pouco de óleo e refogou o arroz. Temperou com sal e um colher de cúrcuma. Colocou água e deixou cozinhar. Enquanto isso, em outra panela, ele refogou frango desfiado, milho, ervilha e um tomate cortado em cubinhos pequenos. Misturou aí o arroz já pronto e mexeu bem. Para finalizar, ele adicionou um punhado de mussarela também em cubinhos e desligou o fogo.

O queijo, quando derretido, formou um creme e se incorporou ao arroz. Ele serviu quentinho, com rodelas de ovo cozido. O nome realmente faz jus ao prato!

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Manteiga em Bastão

Já que eu falei tanto de torradeiras estes dias, achei o acompanhamento perfeito: a manteiga em bastão.


Mais fácil de passar, não precisa ficar apertando a manteiga com a faca pra tentar espalhá-la e acabar quebrando a torrada... Adoro essas invenções japonesas que parecem inúteis!


terça-feira, 1 de novembro de 2011

Bolo Fofinho de Laranja

Antigamente, eu tinha certeza de que não sabia fazer bolo. Eles nunca davam certo, solavam, ficavam com uma textura estranha, ou queimavam, e acabavam indo pro lixo sem ninguém comer. Porém, como eu sou brasileira e não desisto nunca, continuava tentando. Até que fiz muffins e estes deram super certo. Fiz vários, de vários sabores. Um dia, uma amiga do Marido levantou a possibilidade do problema estar no forno, pois o nosso fogão era meio vagabundo e a vedação ou a regulação do forno podiam não ser boas.


E não é que era isso mesmo?! Agora, com o fogão novo, estou uma boleira de mão cheia! Esse de laranja ficou maravilhoso. Fiz para o Marido levar para o trabalho e, segundo ele, acabou em dois tempos. Afinal, não era pra menos: ficou gostoso e fofíssimo.


200g de manteiga
6 ovos
500g de farinha de trigo (ou 4 xícaras (chá) bem cheias)
500g de açúcar (ou 3 xícaras (chá) bem cheias)
1 xícara (chá) de leite
1 xícara (chá) de suco de laranja
1 colher (sopa) de fermento em pó

Bata as claras em neve e reserve. Bata o açúcar, a manteiga e as gemas até obter um creme fofo e claro. Acrescente a farinha aos poucos, alternando com o leite e o suco de laranja. Quando estiver bem misturado, junte as claras e o fermento e mexe delicadamente. Despeje em forma untada e enfarinhada e leve ao forno médio por cerca de 40 minutos. Se quiser fazer uma calda, misture o suco de uma laranja a 200g de açúcar de confeiteiro e espalhe sobre o bolo.

Essa receita rende muito. A massa encheu dois pirex redondos. Se achar que deve fazer menos, diminua a receita. Mas, se for fazer pra uma quantidade razoável de pessoas, é melhor usar esse medida mesmo, pois ele é realmente gostoso e todo mundo devora!