sábado, 25 de junho de 2011

Mix de Batatas

Receita perfeita para acompanhamento de carnes (no nosso caso, sobrecoxa de frango). Além de ter a vantagem de ser daquelas que você bota no forno e vai fazer outras coisas.


Lave bem 2 batatas inglesas grandes e 2 batatas-doce médias. Corte-as em cubos mais ou menos do mesmo tamanho, sem descascar. Coloque numa assadeira untada, polvilhe um pouco de fondor, junte 2 dentes de alho levemente amassados com uma faca, também com casca, e dois ramos de alecrim. Misture tudo e cubra com papel-alumínio. Leve ao forno médio por cerca de 20 minutos. Retire então o alumínio, mexa e deixe assar até dourar.

Aproveita que a batata-doce tá na safra e faz isso. Fica delicioso. Dica: troque o fondor por sal grosso, com cuidado para não salgar demais e perder a delicadeza da batata-doce.

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Cuscuz Marroquino da Bettina

(Foto de celular, tá? Sorry!)
Adoro o suplemento Comida e Bebida da revista Claudia. Por isso, apesar de não gostar da revista, assino. Em uma dessas edições, veio a receita de um cuscuz marroquino (que eu amo de paixão) criado pela Bettina Orrico, cujas combinações são muito doidas mas costumam ser bem gostosas.

Esse leva feijão branco, brócolis, ervilhas e alecrim. Parece não combinar, porém o resultado é incrível. Um dos melhores que eu já comi, e olha que eu não dispenso um cuscuz.

Segue a receita:

Em uma panela, frite 2 dentes de alho picados em 1/3 xícara (chá) de azeite. Acrescente 1 xícara (chá) de brócolis cozido, 1 xícara (chá) de ervilha congelada e 1 colher (chá) de alecrim picado. Refogue, mexendo às vezes, até esquentar bem. Tempere com sal e pimenta. Reserve. Em uma tigela, coloque 1 xícara (chá) de cuscuz marroquino e regue com 1 xícara (chá) de caldo de legumes quente. Cubra e deixe descansar por 5 minutos. Com um garfo, desmanche o cuscuz e adicione os legumes.

Servimos com um bom bife de picanha temperado somente com sal grosso e grelhado no grill. É comer e repetir, repetir, repetir...

terça-feira, 21 de junho de 2011

Carne Mexicana

Sabe a boa e velha carne moída nossa de cada dia? Ganhou cara nova nessa receita. Mas a praticidade e rapidez não foram perdidas.


A carne moída eu já guardo congelada. Se não for o seu caso, faça ela com cebola, alho e sal. Eu usei cerca de 250g de carne para duas pessoas. Acrescente molho de pimenta a seu gosto. Cozinhe um ovo e, enquanto isso, vá preparando o creme. Coloque no liquidificador 1 xícara (chá) de milho verde, 2 xícaras (chá) de leite, 2 colheres (sopa) de amido de milho e 1 colher (sopa) de margarina. Bata bem. Despeje o líquido em uma panela e leve ao fogo até engrossar. Em um pirex untado, coloque a carne moída, o ovo fatiado e cubra com o creme. Polvilhe queijo ralado e leve ao forno para gratinar.

Sirva com arroz e cenouras cozidas. E aguarde os elogios.

domingo, 19 de junho de 2011

Bolo Cremoso de Fubá

Tempos de festa junina, tempos de bolo de fubá. Fala: tem coisa que lembre mais festa junina? Eu não fiz ele pra nenhuma festa, não. Fiz pra comer num finzinho de uma tarde fria, acompanhado do chocolate quente do Marido, formando uma dupla perfeita.


O bolo é a coisa mais simples de aprontar. Dá até pra chamar as crianças pra ajudar. O modo de fazer é: bate tudo no liquidificador, despeja num tabuleiro untado com margarina e leve ao forno baixo, quase médio, por 1 hora.

Os ingredientes são esses:

2 xícaras (chá) de leite
200 ml de leite de coco
1 xícara (chá) de açúcar
1 xícara (chá) de fubá
6 colheres (sopa) de farinha de trigo
2 colheres (sopa) de queijo parmesão ralado
2 colheres (sopa) de fermento em pó
3 ovos

Não se assuste com o fato da massa ser totalmente líquida. Ela vira um bolo, vai por mim. Eu não enfarinhei o tabuleiro e o bolo deu uma leve grudadinha, se você quiser, bote farinha. Ele não é muito doce, o que nós, particularmente, gostamos. Se quiser, faça uma calda de açúcar de confeiteiro.

Anarriê!!!

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Chipa

Você já ouviu falar de chipa? Não? Não sabe o que está perdendo! Anota a receita e vai correndo comprar os ingredientes.

A chipa é uma iguaria paraguaia. Eu comia muito quando era pequena, porque morava em Campo Grande (MS) e lá tem disso em todo canto. Aqui no Rio também tem, mas não são gostosas. A chipa é um misto de biscoito e pão de queijo e a tradição diz que tem que ser feitas neste formato de ferradura.


É fácil, fácil de fazer. Você vai precisar de:

3 1/2 xícaras (chá) de queijo meia cura ralado (eu bati no processador, porque ralar é coisa que as índias faziam há 400 anos atrás; a tecnologia é minha amiga)
3 1/2 xícaras (chá) de polviho azedo
8 colheres (sopa) de margarina
5 ovos ligeiramente batidos
1/2 colher (sopa) de fermento em pó

E faz assim:

Mistura todos os ingredientes em um tigela grande e mexe a massa até que ela solte das mãos. Molde as chipas em forma de U e coloque em uma assadeira, sem untar, deixando espaço entre elas porque cresce um pouquinho. Leve ao forno quente por cerca de 15 minutos.

Rende muito, no tamanho que fiz umas 150. Mas nem se preocupe, porque, servindo quentinha, não vai sobrar nenhuma. É de ficar comendo sem parar.

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Homemade Pizza

Há muito tempo Marido e eu estamos querendo aprender a fazer pizza. Quer dizer, aprender é modo de falar, porque a máquina de fazer pão faz a massa pra nós. É só abrir, assar e cobrir ao nosso gosto. Mas, como não gostamos de pizza massuda, molenga, precisávamos comprar uma pedra para assá-la.


Já estava me programando para comprar uma fôrma de pedra sabão na próxima vez que fosse a Minas - ou pedir de presente a alguém que fosse - quando me deparei com uma na Leader. A pedra, com suporte e cortador, custou 39 reais. Bem mais barato do que ir a Minas, né?

E faz, realmente, toda a diferença. A pizza fica crocante, torradinha... Marido abriu a massa de forma rústica (modo bonito de dizer que ela não ficou perfeitamente redonda) e colocamos pra assar na pedra, ainda sem cobertura, com o forno mais forte possível.


Não sei se dá pra fazer a receita na mão, pois fizemos na máquina. Nela, botamos 1 copo de água, 1 colher (chá) de sal, 2 colheres (sopa) de azeite, 3 copos de farinha de trigo e 1/2 colher (chá) de fermento biológico seco. Foi o suficiente para 3 pizzas médias (a fôrma em que a pizza está não foi a que usamos para assar, a pizza ficou um pouco menor que ela, cujo tamanho é 30cm).

Depois que a massa assou, tiramos do forno, espalhamos molho de tomate pronto, polvilhamos mussarela ralada e cobrimos com: tomates em fatias finas e manjericão seco; queijo parmesão e orégano; e alho torrado.

Veredito: acho que não vamos mais pedir pizza tão cedo, porque a nossa ficou perfeita!!!

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Dia dos Namorados

Sei que o post está atrasado, deveria ter dado dicas de pratos para o Dia dos Namorados antes dele acontecer. De qualquer forma, aí está. Serve para comemorar o que quer que seja, porque pra comemorar a gente não precisa de desculpa.


Tivemos fondue de queijo, fondue de chocolate, um drinque chamado Bellini e espumante. Tudo à luz de velas, em nome do romantismo.


Resolvemos fazer o fondue tradicional, com os queijos mesmo, ao invés de comprar a massa pronta. Já usamos a massa de outras vezes, mas achamos muito salgada. Então, dessa vez, fizemos. Deu no mesmo, muito sal. E foi quase o mesmo preço da massa. Logo, a escolha é sua...

Se quiser fazer, compre 200g de queijo gruyère e 150g de queijo ementhal. Rale-os no ralo grosso e reserve. Misture 3/4 xícara (chá) de vinho branco seco com um cálice de conhaque (usamos whisky) e 1 colher (chá) de maisena. Reserve. Esfregue um dente de alho na panela de fondue e coloque os queijos e o vinho. Leve ao rechaud e mexa para derreter os queijos e incorporar o vinho. Quando estiver homogêneo, está pronto. Sirva com pão italiano em pedaços.

Para o fondue de chocolate, que estava o assalto de 18 reais no supermercado, fiz uma ganache com 100g de chocolate meio amargo e 3/4 de uma caixinha de creme de leite. Levei ao microondas por 30 segundos e depois misturei bem até incorporar. Como não tinhamos acessório adequado para o fondue de chocolate, coloquei-o em banho-maria dentro de uma tigela maior do que a que ele estava. Deu certo. Servimos com morangos em pedaços e bananas em rodelas.

Marido fez um drinque chamado Bellini, que nada mais é do que espumante, suco de pêssego e gotas de xarope de groselha.

Foi ótimo, como todos os outros que já passamos juntos... E muitos ainda virão!

sábado, 11 de junho de 2011

Crepes de Doce de Leite

Trouxemos um vidro enorme de doce de leite Havanna da Argentina. Estávamos protelando a abertura, porque, uma vez aberto, ele precisa ser comido em pouco tempo. Assim, fizemos a crepe para utilizá-lo.


No liquidificador, batemos 2 ovos, 1 xícara (chá) de leite, 2/3 xícara (chá) de farinha de trigo e 1 colher (sopa) de manteiga derretida. Untamos levemente uma frigideira e forramos o fundo dela com a massa. Quando dourou de um lado, viramos a crepe e esperamos que o outro lado ficasse com esse tom aí da foto.

Depois disso, foi só espalhar em cada uma 1 colher (sopa) de doce de leite e dobrar em 4 partes.

Não dá pra comer quentinho, porque a massa esfria rápido. Se você quiser quente, é bom fazer uma calda. No nosso caso, não queríamos. O objetivo era juntar uma sabor neutro (nem doce nem salgado) ao doce de leite. Para essa finalidade, sucesso total! A crepe ficou deliciosa. Perfeita para um brunch ou um lanche da tarde.

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Muffin de Abobrinha

Receita retirada da revista Saúde! Nela, há a informação de que "a abobrinha é rica em compostos que ajudam a restringir as chances de encrecas para o coração". Então, tá, né?! Não sei se meu coração está encrencado, mas como gosto muito de abobrinha, fiz.


A receita, na íntegra, é essa:

Ingredientes:

2 abobrinhas
1/2 xícara (chá) de leite
3 colheres (sopa) de azeite de oliva
sal a gosto
1 colher (sopa) de queijo parmesão ralado
1 xícara (chá) de farinha de trigo
1 colher (chá) de orégano
1 colher (sopa) de fermento em pó

Modo de preparo:

Rale as abobrinhas. Em uma tigela, misture-as com o ovo, o leite, o azeite, o sal, o parmesão ralado, a farinha de trigo e o orégano. Junte o fermento, mexendo bem. Encha 2/3 de forminhas individuais untadas com azeite de oliva e leve para assar em forno médio pré-aquecido. Quando ficarem bem dourados, retire do forno, espere esfriar só um pouco e desenforme. Sirva no lanche ou como acompanhamento de entradas.

Preparei só meia receita, porque só tinha uma abobrinha. Rendeu uns 15 muffins. Entenda por muffin um bolinho. Neste caso, um bolo salgado de abobrinha, cremoso por dentro e douradinho por fora.

Eu gostei e acho que é muito bom para ser servido com uma carne, especialmente aquelas com gosto forte. Da próxima vez, vou colocar mais tempero, algo como uma cebola raladinha ou um pouco de alho...

terça-feira, 7 de junho de 2011

Ensopado de Feijão Branco com Frango e Linguiça

Clima frio, tempo perfeito para comfort food. Comida quentinha, com gosto de casa de vó, é tudo o que faz a gente feliz quando não dá pra ir lá fora.


Fiz meio no olho, então pode ser que as quantidades não sejam exatamente essas.

250g de feijão branco
2 colheres (sopa) de óleo
1/2 cebola picada
2 dentes de alho picados
1 linguiça fina cortada em rodelas
2 sobrecoxas de frango sem pele, cortadas em cubos
2 folhas de louro
2 tomates sem pele e sem sementes picados
sal a gosto

Cozinhe o feijão em água até que ele fique al dente. Reserve com a água. Em um panela, doure a cebola e o alho no óleo. Adicione a linguiça e o frango e refogue, mexendo sempre. Junte o feijão cozido e um pouco da água dele. Acrescente os tomates, o louro, tempere e deixe apurar até virar um ensopado encorpado.

Servi com arroz, porque estávamos com saudade de comer arroz, mas você pode servir puro, em uma tigela, muito adequado para comer na cama, vendo TV.

domingo, 5 de junho de 2011

Os 3 Rs


Hoje é Dia Mundial do Meio Ambiente. Pra muita gente, isso não quer dizer nada, mas, geralmente, esses dias são criados para que, pelo menos neles, pensemos um pouco mais sobre o asssunto.

Eu sou o tipo de pessoa que acredita nas pequenas atitudes. Sei que o que faço não vai mudar o mundo, mas pode ajudar, né?

Aqui em casa tentamos agir conforme os "3 Rs". Isso significa que devemos reduzir, reutilizar e reciclar, nessa ordem. Ou seja, sempre que possível, devemos reduzir o consumo, pensar antes de comprar; se for necessário comprar tente reutilizar o produto; se não der, direcione-o para a reciclagem.

Para que a coisa não fique somente no plano do ideal, vou dar alguns exemplos de práticas que Marido e eu adotamos por aqui.
 
Não somos consumistas (pelo menos, eu vejo assim). Damos muito valor ao suado dinheirinho que recebemos e não compramos desenfreadamente. Muito raramente jogamos algo fora sem usar, seja roupa, comida, produtos etc. Isso porque a compra não é feita por impulso, então a chance de errar diminui.


Já disse em outro post que planejamos mais ou menos um cardápio e quando vamos ao supermercado já sabemos quais perecíveis comprar. Isso faz com que haja menos desperdício, o que também é uma forma de reduzir. Se compramos, por exemplo, uma caixa de morangos e usamos a metade, vou buscar receitas com este ingrediente para não jogá-lo fora. Me dói botar comida no lixo...

Esses sites podem ajudar a procurar receitas colocando um ou mais ingredientes.
http://www.rainhasdolar.com/index.php

Quanto a reutilizar, é onde me esmero mais. Todo mundo que cozinha já fez a reutilização de alimentos, isto é, pegar o jantar de ontem, misturar com outra coisa e criar o almoço de hoje. Arroz de forno, croquete de carne e farofa de alguma coisa são exemplos disso.
O aproveitamento total do alimento também é importante, apesar de um pouco mal visto. Cascas e sementes não são lixo, são comida também. Há alguns alimentos que não merecem ter suas cascas retiradas, como a batata, a cenoura e a maçã. Outros são descascados, mas não devem ter suas cascas descartadas. Vou colocar algumas receitas aqui com esses ingredientes, mas você também pode procurar aqui e aqui.

Outras coisas, além dos alimentos, podem - e devem - ser reutilizadas. A água, recurso cada vez mais escasso, é uma delas. Aqui em casa, programo uma lavagem de roupa antes de lavar a cozinha e os panos de chão. Usamos a água do primeiro enxague, que sai com sabão, para esfregar e a do segundo para finalizar, já que a máquina de lavar roupas usa muita água.
 
Embalagem é outro item que tentamos sempre reutilizar. Prefiro comprar o requeijão no copo de vidro para usá-lo depois. Garrafas em geral (leite de coco, azeite) viram lindos vasinhos de flores. Vidros de conserva (palmito, azeitona) servem para guardar mantimentos no armário ou para ser porta-velas. É só dar um olhar novo para aquilo e encontrar uma nova função. Mas ainda temos muito o que avançar neste quesito.
 
Em breve, vou iniciar um curso de corte e costura para poder remodelar nossas próprias roupas e não jogá-las fora.
 
Sobre reciclagem, fazemos aqui somente uma parte dela. Separamos o lixo orgânico do reciclável e o destinamos à coleta seletiva. Como a empresa de lixo aqui do Rio não possui coleta seletiva no bairro onde moro, então, quando o saco (transparente) enche, botamos no carro e levamos até um supermercado próximo, onde há um posto de coleta. Há pessoas, em geral que moram em casa, que transformam também o lixo orgânico em adubo, reciclando-o. O mesmo é feito com o óleo de fritura. Colocamos numa pet e, quando ela enche, vai para a coleta.
.
Parece difícil, povo, mas não é não. É hábito. Com o tempo isso se incorpora na sua vida e você nem percebe.

Então, vamos começar?

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Carne com Páprica

Há pouco tempo comecei a curtir a páprica. Em uma lanchonete aqui perto de casa, eles usam por cima das batatas fritas gratinadas e fica muito bom. Experimentei e gostei.


A carne é feita de modo bem simples: cebola refogada na manteiga, carne picada fritinha, temperar com sal e pimenta, adicionar o creme de leite, um pouquinho de shoyu e a páprica. Foi tudo de olho, então não tenho como dar as medidas.

Servimos com arroz e batatas ao alecrim. Leia-se a festa do carboidrato. Mas é bom, né?

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Folhado de Chocolate

Marido foi ao supermercado outro dia e me voltou com essa novidade. Na hora pensei: "meu deus, como vou viver sabendo que isso existe e eu tento ser saudável???".


Ele disse que custou entre 3 e 4 reais. Vieram 6 folhadinhos. Botamos no forno e saíram estas fofurinhas aí debaixo.


O gosto? É bom, mas não é tudo isso. Não chega aos pés do croissant de chocolate do Mega Matte, nem do meu de Nutella. Ele tem a massa muito salgada, então contrasta com o doce. Marido disse que tem também de banana com canela. Deve harmonizar mais.

Obrigada, deuses da saúde, por me manterem num mundo de luz!